3 dicas simples e criativas de lidar com o problema de ser um empreendedor solo

Antes de você começar a ler esse artigo quero te deixar a sugestão de baixar gratuitamente este e-book que ensina passo a passo como criar um negócio na internet. Clique aqui para fazer o download.

Ontem estive presente no primeiro Café com Negócios de Curitiba promovido pela rede social Empreendemia que junta empresas em um mesmo lugar na internet para trocar informações e fazer negócios. Foi um evento super bacana e organizado (parabéns a Edelayne da Flow Comunicação) onde encontrei pessoas que só conhecia pela internet, algumas, inclusive, compradoras dos meus e-books. Estas últimas chegaram para me pedir conselhos e tirar dúvidas a respeito de seus empreendimentos e uma delas me chamou muito atenção e por esse motivo escrevo este post de hoje.

Quando decidimos criar uma empresa e ainda trabalhamos em um emprego formal das 9 às 17, não conseguimos criar uma estrutura como uma empresa já estabelecida no mercado para atender nossos clientes. Normalmente, começamos o negócio sozinhos e com o passar do tempo (que depende da qualidade de foco e de esforço colocados no empreendimento) vamos incorporando novos papéis no nosso negócio de maneira a sermos dia após dia mais profissionais naquilo que nos propusemos a realizar.

E o que acontece quando não conseguimos transmitir uma imagem profissional? Quando nossos clientes simplesmente ignoram faturas vencidas por saberem que nós somos ao mesmo tempo os donos da empresa e a área financeira?

ADOTANDO POSTURAS PROFISSIONAIS sendo empreendedor solo
Por estarmos sozinhos na empresa que recém criamos, lidamos com o atendimento aos clientes, emitimos boletos de pagamento dos serviços e produtos da empresa, organizamos o fluxo de caixa e de quebra vamos ao banco pagar as contas e nos Correios remeter correspondências. Somos tudo dentro da empresa e ocupamos boa parte do nosso tempo com tarefas necessárias nesse primeiro momento, mas que colocam em risco definitivo o bom relacionamento comercial com os primeiros clientes da nossa empresa. Isto porque eles sabem que como nós jogamos em todas as posições da empresa, podem a qualquer tempo renegociar prazo e preço dos acordos comerciais feitos no momento da nossa proposta inicial para eles e agregar mais itens ao acordo comercial firmado em palavras quando começamos o trabalho.

Existem três formas, ou melhor, posturas a serem adotadas pelo empreendedor solo que acabou de criar a sua empresa e está começando a enfrentar o mercado agora. Estas posturas foram aprendidas por mim ao longo dos meus empreendimentos e foram todas colocadas em prática quando realmente consegui me libertar dos cubículos dos escritórios para tornar-me efetivamente um empresário.

Rapidinho: Se você estiver interessado em criar um negócio online para atingir a independência financeira, pode clicar aqui para baixar um material super completo sobre o assunto.

1. CONTRATE UM ADVOGADO
Mesmo você que começou agora pode contratar um advogado, pois esses profissionais podem cobrar seus honorários por duas formas segundo a própria tabela de honorários da OAB. A primeira forma de cobrança é aquela onde ele nos cobra o serviço de confecção do contrato e a segunda é quando o advogado acerta um percentual (o recomendado pela OAB são 3%) sobre o valor do contrato que está sendo confeccionado. A diferença de uma para outra é que na primeira o advogado concebe um modelo de contrato que pode ser utilizado outras vezes com outros clientes e na segunda é preciso pagar por cada contrato “vistado” pelo advogado e emitido pela empresa. Particularmente, eu prefiro a segunda opção (e foi essa que adotei quando abri a Noxion) já que ela dá garantias de que o advogado entre na relação entre a nossa empresa e nossos clientes caso algum problema ocorra e ainda pode nos orientar melhor sobre o que podemos e devemos fazer sem ferir nem o nosso contrato e nem o Código de Defesa do Consumidor.

Contratando um advogado logo após criar a sua empresa fará com que você comece a ter uma postura mais profissional diante dos seus clientes, pois agora haverá um contrato entre vocês regendo a relação comercial. Não é nada profissional apresentar uma proposta comercial para nossos clientes e já começar a trabalhar sem nenhum vínculo no papel.

Afinal, quando somos contratados como empregados para uma empresa tanto nós como nossos chefes não tem que assinar um papel (nossa carteira de trabalho)? Porquê então faríamos diferente com os nossos clientes?

2. NÃO DIGA QUE VOCÊ É O DONO
É impressionante como isto faz uma diferença enorme. Como começamos a empreender sozinhos como dito anteriormente, nossos clientes se sentem à vontade de falar conosco porque sabem que não existe burocracia na relação comercial como com outras empresas maiores, com mais pessoas e setores para se transitar antes de ter a solução desejada. Conosco, empreendedores solo, não há riscos, pois toda a empresa está na frente do cliente quando vamos até lá fazer um atendimento.

A solução para isso é não chegar em um lugar se apresentando como o dono, ou melhor, dizendo que está sozinho. Você precisa de uma estrutura e é bem bacana já imaginar esta estrutura como já existente na sua cabeça antes dela realmente se tornar verdade quando a empresa crescer. Além de criar uma empresa, é preciso nomear alguns setores antes de começar, logo, falar que você está sozinho e que é o dono ainda, pode carimbar o seu passaporte para o mundo do emprego formal. Como sugestão, você pode, por exemplo, criar e-mails fictícios de cada setor da sua empresa e respondê-los com se não fosse você. Exemplo disso é o envio de boletos de cobrança que pode ser feito de forma totalmente automatizada pelo seu banco ou por uma conta de e-mail da sua empresa para que o cliente desligue que você é o faz-tudo dentro da companhia.

3. TERCEIRIZE A ÁREA DE COBRANÇA E APURAÇÃO DE RESULTADOS
Um bom contador pode fazer isso para nós e mesmo que pensemos que este pode ser o tipo de serviço “caro” para a nossa recém-criada empresa, não é. Não é porque o tempo que se economiza e a distância e profissionalismo que se cria com os nossos clientes representa um ganho muito maior que o valor investido neste setor. Você, como empreendedor solo, que acabou de criar uma empresa, se sente tão somente como um funcionário de si mesmo que vê os resultados sendo apurados de valores crescentes na medida em que você se dedica a realizar as tarefas de captação de clientes e entrega daquilo que vendeu para eles. O resto do seu negócio funciona no automático e você já no início se preocupa só com o que tem que se preocupar: manter a roda girando.

GANHO REAL
Adotando essas três simples posturas você já começa com o pé direito o seu novo negócio. Quando comecei sozinho na Noxion, já pensava desta forma porque já havia errado nas empresas que abri anteriormente. Aparecer em um cliente sem cartão de visitas, contrato, nota fiscal, boletos bancários e setor financeiro é colocar em risco o futuro da empresa. Depois que conseguimos nos sustentar como empreendedores solo, basta adicionarmos pessoas em cada uma das posições que criamos para que elas façam ali o trabalho que nós não devemos fazer e a empresa cresça. Já disse isso antes por aqui, mas sempre é bom lembrarmos que o empreendedor é um gerador de riquezas para a sociedade, logo, ele deve gerar oportunidades para que outras pessoas ganhem com o seu negócio.

Material Gratuito: recomendo a leitura do livro digital Negócios Milionários Online do Tiago Bastos, criador do método "A Máquina de Vendas Online" que me ajudou e certamente vai ajudar você a transformar suas ideias e hobby's em muito dinheiro na internet.

Clique aqui para baixar o livro gratuitamente.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 382 outros assinantes

Sobre Marcos Rezende

Marcos Rezende é criador e principal editor do portal Negócio do Zero, além de ser também professor e orientador de empreendedores no Curso Online de Criação de Negócios do Zero voltado para quem deseja abrir o seu próprio negócio sem colocar em risco a segurança da sua família e de suas reservas financeiras.