Employee works on his computer at the office of CloudFactory, a Canadian startup that based itself in Kathmandu

6 tipos de startups: Qual é a sua?

RESUMÃO DE IDEIAS DE NEGÓCIO Antes de você começar a ler esse artigo quero te avisar que você pode baixar todas as ideias de negócio publicadas nesse site de uma só vez. Clique aqui para adquirir o eBook Completo com 130 ideias de negócio baratas.

Não há maior frustração para um empreendedor que descobrir que a empresa que criou nada tem a ver com aquilo que ele esperava.

Por falta de informação, eu já cometi o equívoco de tocar um negócio sem uma visão clara do que ele era.

Já construí um software que não fazia ideia de como distribuir e já tive empresas de prestação de serviços que não tinha capacidade para atender mais clientes.

Só depois de muito aperto, comecei a colocar os pingos nos “is” e pensar mais antes de executar.

Aliás, você já percebeu que empreendedor tem uma mania de se movimentar pensando que está agindo?

“Estar em movimento nem sempre significa que se está agindo.” (Tweet Isso)

Steve Blank, empreendedor serial americano e autor dos livros Four Steps to the Epiphany e The Startup Owner’s Manual, categorizou as empresas iniciantes ou startups, em seis tipos para nos ajudar a compreender onde estamos enquanto donos do nosso negócio na sua fase mais embrionária.

Você vai observar, que entre cada um dos tipos de startups abaixo, existem diferenças significativas na formação da equipe, na sua rentabilização e estratégias, mas não compreender estas diferenças, pode estragar completamente as suas chances de sucesso já no início da sua caminhada.

Vamos às definições.

6 tipos de empresas iniciantes ou startups

Quando alguém fala para os seus amigos, familiares e colegas que é um empreendedor, certamente a maioria dessas pessoas pensa que ele tem o objetivo de se tornar o próximo Bill Gates ou Steve Jobs e criar um negócio de milhões de dólares.

Essa concepção está errada.

A realidade é que enquanto só temos uma palavra para “startup”, existem seis variedades para ela:

  • Lifestyle Startups
  • Small-Business Startups
  • Scalable Startups
  • Buyable Startups​​
  • Social Startups
  • Large-Company Startups

Começando do início.

Lifestyle Startups: Trabalham para Viver das Suas Paixões

Os fundadores desse tipo de startup se parecem mais com surfistas, dando aulas sobre surf para pagar suas contas e surfar novamente.

Esse tipo de empreendedor vive uma vida pela qual é apaixonado, trabalhando para ninguém mais que ele mesmo dando vazão as suas paixões, talentos e vocações.

O equivalente no Vale do Silício é aquele programador ou web designer que ama o que faz e que por isso presta serviços nesta área além de dar aulas na internet em sites como o Udemy ou produzir seus próprios produtos digitais.

“Um homem de negócios é um cruzamento entre um dançarino e uma máquina de calcular.” ~ Paul Valéryte (Tweet Isso)

Small-Business Startups: Trabalham para sustentar a família.

A esmagadora maioria dos empreendedores e startups do Brasil, ainda hoje, são pequenas empresas.

Esta categoria é constituída por mercearias, cabeleireiros, consultores, agentes de viagens, pequenos comércios, lojas virtuais, carpinteiros, encanadores, eletricistas, etc.

São os próprios empreendedores que dirigem o negócio.

Um pequeno empresário trabalha tanto quanto outro empregado de uma empresa qualquer.

Se não trabalharem até mais.

A maioria das pequenas empresas não são projetadas para ganhar escala, pois seus proprietários querem manter o negócio nas suas mãos.

O capital disponível vem das suas próprias economias, o que por consequência acaba gerando empréstimos a parentes e bancos.

Nesse modelo de startup, não existe a possibilidade de se tornar bilionário e tampouco aparecer na capa de alguma revista, mas é importante para a geração de empregos locais.

“Não existem pequenos passos nos grandes negócios.” ~ Jean Retz (Tweet Isso)

Scalable Startups: Nasceu para ser grande!

Startups escaláveis ​​são o que a maioria dos empreendedores e seus investidores de risco aspiram construir.

Google, Skype, Facebook e Twitter são apenas os exemplos mais recentes.

Desde o primeiro dia, os fundadores desse tipo de empresa acreditam que a sua visão pode mudar o mundo.

Ao contrário dos empresários das pequenas empresas, seu interesse não é ganhar a vida, mas sim criar capital através de uma empresa que eventualmente poderá ter suas ações na bolsa ou mesmo ser adquirida por algum investidor, gerando um retorno de vários milhões de dólares.

Elas necessitam de capital de risco para financiar a sua busca por um modelo de negócio e atrair o investimento de investidores financeiros igualmente malucos – os capitalistas de risco.

Elas contratam os melhores e os mais brilhantes empregados e mantém o seu foco na busca de um modelo de negócios repetível e escalável.

Assim que encontra esse modelo, ela faz uso de ainda mais capital de risco para abastecer sua rápida expansão.

“Uma amizade criada nos negócios é melhor do que negócios criados na amizade.” ~ John Rockefeller (Tweet Isso)

Buyable Startups: Alvo de aquisições.

Nos últimos cinco anos, o custo e o tempo necessários para construir aplicativos web e aplicativos móveis despencou.

Hoje, é possível chegar ao perfeito ajuste entre produto e mercado e um milhão de usuários com um baixo investimento.

Muitas destas startups ignoram VCs (Venture Capital) tradicionais usando crowdfunding ou um investidor anjo.

Enquanto elas estão focadas em construir um negócio de bilhões de dólares, a falta de investidores de capital de risco tradicionais tira a pressão das metas de liquidez e elas acabam ficando suscetíveis a compra por alguns milhões somente.

O que também não é nada mal, diga-se de passagem.

“Invista em empresas que qualquer idiota poderia assumir porque, cedo ou tarde, um deles irá.” ~ Warren Buffet (Tweet Isso)

Social Startups: Existem para fazer a diferença.

O empreendedor social não é menos ambicioso, apaixonado ou mais firmes no propósito de impactar o mundo que qualquer outro tipo de fundador, mas ao contrário das startups escaláveis​​, seu objetivo é fazer do mundo um lugar melhor.

Elas podem se organizar como uma organização sem fins lucrativos, com fins lucrativos ou uma mistura desses modelos.

“Seja a mudança que você quer ver no mundo.” ~ Gandhi (Tweet Isso)

Large-Company Startups: Inovar ou evaporar

As grandes empresas têm ciclos de vida finitos e, ao longo da última década, esses ciclos têm se tornado mais curtos.

Já está mais do que claro que as práticas de Lean Startup não são apenas para startups escaláveis ​​ou compráveis​​.

A maioria das corporações passaram os últimos 20 anos aumentando a sua eficiência, reduzindo os custo, etc., mas simplesmente se concentrar em melhorar os modelos de negócios já existentes não é mais suficiente.

Quase toda grande empresa entende que ela também precisa lidar com as crescentes ameaças externas, inovando continuamente.

Logo, para garantir a sua sobrevivência e crescimento, as empresas precisam inventar novos modelos de negócios, exigindo novas estruturas e habilidades organizacionais.

“O homem é mortal por seus temores e imortal por seus desejos.” ~ Pitágoras (Tweet Isso)

Qual é o tipo da sua empresa/startup?

Compreenda que não existe nada de errado em tocar uma empresa solo rentabilizando as suas paixões através de prestação de serviços, assim como não há nada de mal em ter uma pequena empresa como um salão de beleza, um pequeno bar ou uma papelaria de bairro.

O problema é quando a prestação de serviços da sua empresa solo ou a sua pequena empresa não lhe dá liberdade para desfrutar de um pouco de lazer, viajar ou simplesmente ficar em casa sem fazer nada.

A melhor opção, sob o meu ponto de vista, é começar uma empresa baseada nas suas paixões que em curto e médio prazo sustente o seu estilo de vida e a sua família, mas que tem o foco na escala para dar liberdade para fazer outras coisas que gosta.

Para os membros do Campus, adicionei um artigo complementar chamado Fundamentos de negócios em escala, fruto das minhas pesquisas e vivências batendo cabeça aqui e ali nos últimos 20 anos para criar um negócio que gerasse receita e liberdade ao mesmo tempo.

Aliás, nem sempre um negócio que gera receita, gera liberdade, mas isso é papo para outro artigo.

“Às vezes o homem prefere o sofrimento à paixão.” ~ Fiodor Dostoievski (Tweet Isso)

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Junte-se a 232 outros assinantes

Sobre Negócio do Zero

Portal onde empreendedores de primeira viagem encontram o que precisam para criar e profissionalizar seus negócios.

Nossos parceiros de conteúdo...