3 lições de negócios que aprendi com as árvores



A industrialização desenfreada das últimas décadas fez com que o ser humano se “separasse” da natureza esquecendo-se da interdependência que existe entre todos nós. Essa interdependência, encontrada em tudo e em todos, é também notada nas empresas que, guiadas por seus humanos “separados” da natureza, admitiram certezas impróprias e perderam sabedoria do que acontece à sua volta, deixando de observar pequenas lições simples que a natureza tenta lhe ensinar, mas que ele, certo de suas inseguranças, cisma em acertar através do erro, ao invés de pela observação.

Foi com esses pensamentos em mente que fui acometido pela constatação de três lições extremamente úteis para os negócios que retirei do convívio com as árvores frutíferas. Como já é de conhecimento do estimado leitor, meu talento filosófico surge e gera sempre conhecimento principalmente das experiências que vivo do que dos livros de negócios e empreendedorismo que leio, tendo sido nessa “emboscada” de podar uma árvore ou adubar o terreno, que ideias a respeito do que realizo hoje como empreendedor tornaram-se mais enraizadas que em outros tempos.

AS 3 LIÇÕES:

  1. Faça uma avaliação periódica da sua “árvore”
  2. Desfaça-se dos galhos fracos e mortos para ter mais energia
  3. Adube bem a terra constantemente para produzir com força total


1. FAÇA UMA AVALIAÇÃO PERIÓDICA DA SUA “ÁRVORE”
Se você tem alguma árvore frutífera no seu quintal, já sabe que é preciso realizar a poda das mesmas nos meses que não possuem ‘R’. É uma regra da “roça” que os mais experientes transmitem aos mais novos e que faz sentido. Nos meses de maio, junho, julho e agosto devemos fazer uma avaliação das árvores frutíferas para estabelecer onde cada árvore está perdendo mais a sua energia e assim, perceber como fazer para que ela possua mais energia para o próximo período produtivo.

Muitas pessoas levam as suas vidas, carregando a si próprios nas costas, sem realizar qualquer avaliação daquilo que estão fazendo. Não sabem nem o que não querem e tampouco o que querem. Criticam isso e aquilo, mas são incapazes de criar um plano estratégico para as suas vidas. Da mesma forma, empresas são abertas e até funcionam por anos sem se tornarem referência no seu ramo de negócio, porque não sabiam para onde estavam indo e se sabiam, não avaliavam periodicamente as decisões tomadas período a período para confrontar o desejado com o realizado.

Seja uma árvore ou uma empresa, sempre é necessária uma reavaliação constante daquilo que se está produzindo. São frutos ou apenas galhos secos? Quando entramos em crise somos forçados a decidir o que deixar para trás, ou seja, o que não queremos para irmos em direção àquilo que naquele momento desejamos. Porém, evoluir somente nos momentos de crise não nos traz sabedoria e oferece riscos muito maiores do que quando nos posicionamos de forma consciente em cada papel que interpretamos no dia a dia das nossas vidas.

Sua árvore está crescendo e precisa dar frutos de boa qualidade, portanto que tal avaliar se realmente todas as atividades que desempenha ou os hábitos que cultiva estão realmente lhe fazendo progredir, ou melhor, ir de encontro para onde você deseja? Você pode fazer uma avaliação semanal, mensal ou trimestral, não importa. O que importa é estar atendo a própria vida para ter a capacidade de avaliá-la tão bem ao ponto de tomar as suas próximas decisões de maneira mais sábia e consciente.

2. DESFAÇA-SE DOS GALHOS FRACOS E MORTOS PARA TER MAIS ENERGIA
É fácil distinguir uma árvore que dará bons frutos daquela que não irá dar uma flor sequer. A que não produzirá bons frutos tem galhos em grande quantidade, com grande altura e muito secos. Além disso, as árvores que não produzirão bons frutos tem uma copa menos uniforme e bastante ampla, indicando um forte desperdício de energia. Já as árvores que produzirão frutos de qualidade, tem uma copa concentrada quase que sem galhos secos algum. Seus galhos possuem uma cor próxima da verde e são praticamente inquebráveis com um simples toque, indicando que existe bastante energia concentrada ali.

Comparando árvores a empresas, fica também fácil utilizar-se dos mesmos argumentos para avaliar aquelas empresas que estão fadadas ao fracasso. Empresas que fazem um monte de coisas, resolvem vários problemas, chupam cana enquanto assobiam, desperdiçam muita energia de cada um dos seus “galhos” que crescem sem saberem muito bem o porque de estarem crescendo e tampouco para onde devem se dirigir. Já empresas bem sucedidas, funcionam de forma super focada, com equipes separadas que sabem o que cada uma deve fazer e principalmente, livram-se rapidamente daqueles nichos de mercado ou funcionários que estão mais desperdiçando energia do que produzindo algum fruto.



Se você planta uma laranjeira no seu quintal, nunca verá essa laranjeira produzindo maçãs. Nunca! Da mesma forma, se você abre uma empresa que produz eventos, só será bem sucedido se tornar-se referência nesse segmento fazendo cada vez melhor a mesma coisa. É simples compreender esse argumento, porém é difícil de implementá-lo na prática porque conforme vamos nos aprofundando no mercado e no nosso modelo de negócio, nossos próprios clientes começam a nos fornecer insumos para deixarmos crescer mais um “galho” e passarmos a entregar algo que não pertencia ao foco inicial da nossa empresa. Por isso, é tão importante avaliar e podar a nossa empresa quanto é avaliar e podar as árvores frutíferas do nosso quintal.

3. ADUBE BEM A TERRA CONSTANTEMENTE PARA PRODUZIR COM FORÇA TOTAL
Uma árvore que tenha sujeira na base do seu tronco terá menos energia para produzir eficientemente que uma árvore devidamente “limpa”. Para quem não sabe, é importante manter a sujeira longe da base de uma árvore para evitar que pragas ataquem os frutos dela e afete a produção. Além de mantê-la limpa, o fato de retirar qualquer lixo periodicamente dos “pés” da nossa árvore e adubá-la eficiente e constantemente, faz com que ela armazene cada vez mais e melhor energia para produzir frutos mais suculentos que aqueles produzidos de qualquer modo.

Já percebeu como alguns profissionais e algumas empresas não possuem qualquer empatia pelos assuntos limpeza e organização? É triste chegar em uma empresa e ver que ela tem as paredes manchadas, os papéis desorganizados pela mesa ou funcionários mal vestidos. A energia do trabalho não consegue fluir de forma eficiente porque cada atividade sofre com a desorganização e sucumbe ao gasto de tempo desnecessário para realizar uma simples tarefa de encontrar o telefone daquele fornecedor que foi anotado em um pedaço de papel qualquer.

A base de todas as empresas e de toda vida profissional de qualidade é a organização, que na natureza do plantio de árvores pode ser traduzida como a limpeza da base das nossas árvores. Sem metodologia de trabalho ou uma simples organização do ambiente, fica impraticável a sua navegação dentro do seu próprio ambiente de trabalho para realizar as tarefas estabelecidas a por si mesmo. O “tráfego” de energia não flui e fica engarrafado na “marginal” com outras milhões de atribuições.

Avaliar, podar e adubar. Estas foram as três lições de negócios simples para se conduzir empresas que aprendi com as árvores. Com estes três verbos em mente fica bastante simples e fácil montar uma plataforma de auto-cultura onde cada um de nós participemos ativamente do planejamento e melhoria contínua das nossas próprias vidas e da vida das nossas empresas de forma muito mais sábia, consciente e eficiente. Isto foi o que aprendi. E você? Qual é a lição que você aprendeu nos últimos tempos e que aparentemente nada teria a ver com negócios que deseja compartilhar?



2 Comentários

  1. Muito bom o segundo ponto: 2. DESFAÇA-SE DOS GALHOS FRACOS E MORTOS PARA TER MAIS ENERGIA.

    A falta do foco, do objetivo nos faz perder muito tempo.

    Por isso acredito que tudo em nossa vida é preparação. Pois quando nos preparamos, estamos alinhando nossa vontade, sentimento e pensamento para a execução de nosso trabalho.

    Muito obrigado.

Comentários não permitidos.