7 passos de cabo a rabo para criar uma empresa do zero



Fomos domesticados a sermos empregados e consumidores. Isto é real. Se você estudou em uma escola comum, sabe do que estou falando. De certa forma a escola ignorou que talvez com sete anos pudéssemos raciocinar e nos domesticou para apenas consumirmos um roteiro já pronto. Abandonamos a criatividade e a curiosidade e nos enquadramos nos moldes da maioria, base da pirâmide social que apenas consome, trabalha e se entretém. Sabendo disso e para eliminar o risco de você cair na bobagem de fazer como a escola te ensinou e criar a sua empresa começando pelo nome, cartão de visitas, website, CNPJ e alvará, exponho a seguir as sete técnicas básicas que utilizo atualmente para criar, promover e vender os serviços e produtos das minhas empresas. Preste atenção.

1. Escolha uma ideia apaixonante

De forma alguma escolha uma ideia só porque ela dá dinheiro. Baseado naquilo que você mais gosta e faz de melhor, promova um brainstorm ou “tororó de parpite” (em bom português) e coloque no papel muitas ideias. Vá além do número máximo de ideias que pensa que pode gerar. Com todas as ideias geradas no papel, escolha aquela que lhe é mais apaixonante, aquela que você seria capaz de trabalhar na sua implementação sem ganhar um só tostão. Isso é importante porque você precisará trabalhar bastante nesta ideia daqui pra frente e somente quando trabalhamos com o que gostamos e está alinhado com os nossos talentos e competências é que realmente conseguimos ter sucesso. Fato.

2. Produtize a sua ideia



Transformar a sua ideia em um produto é dá-la um aspecto de “produto de prateleira” onde você consegue logo de cara saber qual o problema aquele produto resolve para você, qual o seu preço, como comprar e o que você precisará fazer após a compra. Vamos supor que você tenha uma empresa de serviços de limpeza e quer produtizá-la. Você não irá vender seus “serviços de limpeza”, você vai vender o seu “serviço profissional de faxina rápida” onde você enviará para a casa do cliente, quatro faxineiras com todo o material de limpeza necessário para realizar uma faxina de apenas 4 horas em residências e empresas de até 400 metros quadrados. Apresentando a sua empresa desta forma, você consegue demonstrar logo na primeira apresentação o que a sua empresa faz. Isso é produtizar ou encaixotar a sua ideia.

3. Teste a aceitação do seu “produto”

Você pode colocar anúncios na internet convidando pessoas a conhecerem o seu produto cadastrando seus e-mails para receber maiores informações e também pode promover eventos gratuitos online ou offline para apresentar o seu “produto” ao seu público para ouvir deles seus comentários a respeito da sua ideia. Existem diversas formas de testar a aceitação do seu produto, mas essencialmente você precisa ter em mente que o objetivo é o de apenas escutar os seus clientes em potencial para realizar as adaptações necessárias no seu “produto” para vendê-lo com mais eficiência mais à frente. O objetivo crucial é sentir o seu mercado para saber se ele recebe bem a sua oferta.

4. Crie um relacionamento com o seu público

Seu futuro cliente só comprará de você após te conhecer, gostar e confiar em você. Antes disso, você não fará nenhuma venda. Ponto. Por esse motivo, ter um blog como este onde você escreva regularmente, promover eventos offline e online gratuitos ou gravar vídeos para o YouTube compartilhando o seu conhecimento, sejam as melhores estratégias de marketing para alguém ou uma empresa estabelecer uma autoridade no mercado onde atua e criar uma ligação de confiança com o seu público alvo.

“Anúncios não vendem nada. Anúncios servem para você iniciar um relacionamento com o seu cliente.”Conrado Adolfo

5. Convide seu público a uma ação de compra

Se você seguiu os passos anteriores e já montou uma lista de pessoas interessadas no seu “produto” é hora de convidá-las a comprar usando duas estratégias de persuasão fundamentais para qualquer fechamento de vendas eficiente. São elas, a escassez e a urgência. Escassez porque devido a recente criação do seu “produto”, você precisa de tempo para adquirir mais “estoque”. Desta forma, abra suas vendas para um pequeno número de pessoas inicialmente. Afinal, você está testando se o seu produto vende e você não quer receber um excesso de reclamações que não consiga dar conta de atender. Urgência porque você precisa definir rápido se o seu produto vende ou não e seus compradores se sentirão mais pressionados a comprar de você se uma promoção estiver acabando ou o “estoque” daquilo que você vende estiver no fim. Como o seu produto recentemente lançado está na fase beta, é possível ainda que ele sofra aumento de preço após a conclusão de algumas melhorias e é natural que você impulsione as suas vendas deixando claro para os seus futuros clientes esta possibilidade. Aplicando estas duas estratégias você sai do processo de vendas com uma definição sobre a real aceitação do seu público alvo pelo “produto” que você criou.

6. Produza o seu “produto” e entregue

A maioria das pessoas se assusta quando enxergam que até este passo nada foi produzido. Não foram feitos cartões de visitas, websites, CNPJ ou alvarás. Somente depois que você obtém clientes é que você pode produzir o seu “produto” para entregá-lo, pois até alguns instantes antes da primeira venda, ele era uma teoria sua do que poderia dar certo. Só uma teoria. É claro que no momento da criação da ideia você se antecipou e previu quanto tempo e dinheiro precisariam ser investidos para entregar o que você prometeu, mas o que quero que você compreenda é que na escola fomos treinados a fazer justamente o oposto do que funciona. Se você refletir um pouco enxergará rapidamente que nenhuma grande empresa começou grande e arrumadinha como manda o figurino. Todos os grandes negócios cresceram conforme a demanda do mercado onde estavam. Faça o mesmo e esqueça a forma quadrada que aprendeu na escola.

7. Repita a operação desde o item 4 melhorando o “produto” a cada lançamento e tenha um negócio promissor

Gerada, validada, vendida e entregue a ideia é hora de melhorá-la sistematicamente para aumentar a percepção de valor dos seus clientes e obter mais lucro. Guarde seus atuais clientes como jóias e adquira novos clientes ao mesmo tempo em que os clientes atuais reforçam a confiança que têm no seu trabalho para o mercado. Lembre-se que a diferença entre quem realiza e quem fracassa é que quem realiza é disciplinado na execução dos planos, transparecendo confiança para os seus clientes, sem deixando um só dia de dar o seu melhor pelo seu negócio.



Concluindo…

Nada do que falei acima funciona realmente se você não estiver seguro daquilo que está fazendo. Já fazem cinco anos que eu trabalho somente desenvolvendo os meus talentos e competências alinhados ao meu propósito de vida e até hoje tenho que diariamente me policiar para continuar na mesma batida. Isso aliás, é uma das coisas que mais discutimos dentro do Negócio do Zero com outros empreendedores, pois o principal problema de quem empreende não é a falta de ideias, dinheiro ou planejamento, mas sim a falta de disciplina, apoio e segurança. Por este motivo, antes de gerarmos ideias de negócios no curso, aprendemos a dizer não, identificamos o nosso talento e mapeamos o nosso propósito para aí sim gerar ideias, aprender estratégias de marketing e fazer dinheiro com aquilo que criamos.

Quem empreende sabe que de nada adianta estar ganhando dinheiro com aquilo que não se gosta. Se não há satisfação no trabalho, ele vira sacrifício e não algo prazeroso. Sendo sacrifício ele fatalmente fracassa perdendo espaço para aquele empreendedor que realmente gostava daquilo que estávamos tentando fazer bem.



8 Comentários

  1. Qualquer medida de evolução a nossa capacidade humana, está e muito atrelado ao fator de conhecimento, e quando a temos de forma a enxergar o que alguém já produziu em busca de não inventar a roda, de utilizar certos pontos para ir a mais…

    Validamos a importância de um certo dia um ‘ser’ transmitir as primeiras escritas na pedra…

    Hoje temos a grande felicidade e facilidade de ter o conhecimento, também atrelado ao grande volumes de informações das últimas décadas (ou década) versus ao antepassado.

    E, é uma grande satisfação ao encontrarmos pessoas dispostas como o Marcos, que dentro de seu ‘quadrado’ está fazendo acontecer, e demais de suas áreas que vivem em seus ATOS BENEFICENTES a sociedade, tais como:

    – Ricardo da Biz,

    – Seitti da Arata,

    – Flávio da Ometz,

    – Augusto Campos do Efetividade,

    – e inúmeros outros que no momento infelizmente não estou creditando.

    Bom é isto, AGRADECEMOS profundamente e espero que possam trilhar bons caminhos de sucesso e retorno ao que estão em sua pratica.

    * pegando os insights de seu post para gerar um mantra produtivo.

    Abraço Marcos.

Comentários não permitidos.