Aplicando a lei do menor esforço para empreender melhor



Nesse último final de semana aconteceu, na comunidade onde moro, a festa em comemoração ao Dia de Nossa Senhora do Carmo. Segundo o pessoal daqui, uma das maiores festas que acontece nesta que é a primeira colônia de italianos do Paraná. Não sou de ir à missa, mas sou um membro fervoroso da comunidade e adoro colaborar com as festas que acontecem na nossa colônia. Isso envolve toda a minha família e ainda ajuda a melhorar a infraestrutura do local onde moramos. E foi tendo essa experiência que aprendi algo interessante: como aplicar a lei do menor esforço para desempenhar melhor uma atividade. Aprendizado que facilmente pode ser aplicado na nossa vida como empreendedores. Principalmente, pequenos empreendedores.

UM MAGRINHO E MUITOS FORTÔES
Como trabalho a vida toda com computador e lendo livros, ficou difícil me tornar um cara grande e forte. Porém, como hoje vivo em um sítio e a comunidade aqui é praticamente rural, os caras tem o oposto do meu biótipo. Eles são grandes e fortes, pois desde cedo carregam saco de batata nas costas, dirigem trator e coisas do tipo. Imagine um cara magro metido no meio desses caras, arrumando uma festa com muita comida e peso para carregar. Apesar do meu esforço, evidentemente eu me cansava muito mais rápido que eles.



Foi quando precisávamos carregar os espetos de costelas para outra churrasqueira, que entrou em cena a lei do menor esforço. Como eles são fortes, não se importavam muito em colocar todos os espetos virados para um lado só da bacia. Era uma bacia retangular e grande, onde cabiam cerca de 30 espetos com costelas de porco. Quem pegasse o peso por baixo de onde ficavam os espetos se prejudicava mais. Acabava tendo que andar meio abaixado e carregando quase todo o peso em um só braço.

Como tentei uma vez e tive que parar duas vezes ao longo do caminho, com a desculpa de que a bacia estava “escorregando”. Decidi começar a distribuir os espetos na bacia de forma mais inteligente. Coloquei 15 para um lado e 15 para o outro lado. Assim, cada pessoa que segurasse a bacia, segurava somente metade do peso e não se esforçava tanto. Desta forma, o processo de levar as bacias com costelas (303 espetos no total) para a churrasqueira que ficava no bosque, ficou muito mais eficiente. Poderíamos ter continuado a carregar os espetos da forma que sempre foi carregado? Sim, mas o magrinho aqui ia sofrer bem mais…

EMPRESAS PEQUENAS E EMPRESAS GRANDES
Da mesma forma que aconteceu na preparação da festa, muitas pequenas empresas abrem as suas portas, para fazer as coisas da mesma forma que as empresas grandes fazem. Elas não questionam a maneira como estavam realizando os processos e apenas repetem aquilo que lhe disseram como certo nas escolas de administração. Assim, elas utilizam a força de um quilo para erguer um peso de duzentos gramas. Isso não é nada eficiente.

Ao invés de copiar o que nos dizem como certo, que tal experimentar novas formas de fazer a mesma coisa? Evidentemente, basear-se em modelos já pensados é uma ótima saída para desenvolver nossos questionamentos. Porém, se você está começando a sua empresa admitindo que este ou aquele modelo é o que está com a razão, você está indo para o caminho errado. Quando abrimos uma empresa, ela é nossa; e somos nós que devemos construir as regras.

PEGUE UM MODELO, TESTE E MUDE
Aprenda como as coisas são feitas seguindo modelos bem estruturados de negócios. Faça algumas modificações, procurando perceber onde o modelo está falhando para atender ao seu mercado alvo. Às vezes, um determinado modelo de negócio funciona da mesma forma há dez anos, mas não é válido para o seu negócio que está nascendo agora. Teste esse modelo e veja se funciona. Se não funcionar, adapte-o para as suas necessidades e mude a forma como você lida com as tarefas no seu dia a dia.

De forma alguma siga “ao pé da letra” o que eu digo como certo. Da mesma forma, não duvide com tanta certeza daquilo que eu estou falando. Na vida, aprendemos melhor quando temos experiência. Se eu escrevo sobre pescaria e você nunca esteve presente em uma, não conseguirá perceber coisas que outra pessoa que esteve em uma pode perceber. Se você está abrindo um negócio, você obterá um melhor desempenho se partir para o mercado com o seu modelo de negócio para testá-lo, não para ganhar. Não cultive expectativas e faça apenas um trabalho de teste. Teste após teste e sua empresa finalmente nasce.



Se eu fosse tão certo das minhas certezas não teria tido a experiência de carregar costelas de porco e aprender, na carne, como fazer uma mesma atividade de forma melhor. Sou vegetariano por opção, mas se meu trabalho em um determinado momento é carregar costelas, tento ser o melhor carregador de costelas, para ter experiências através dos meus erros e acertos. Assim, crio uma maneira nova de carregar costelas e ainda ganho aprendizado para aplicar ao meu negócio.



3 Comentários

  1. Na comunidade religiosa que participo, fizemos uma reunião para discutir detalhes da festa tradicional da cidade. Comecei a reunião com a pergunta:

    – Esse ano vamos participar ou não?

    Uma pessoa questionou:

    – Sempre participamos, por que a dúvida agora?

    Isso mostrou que pessoas muitas vezes repetem o que fazem porque outras fizeram antes e nunca se questionam o motivo de estarem fazendo aquilo.

Comentários não permitidos.