Como fazer uma pesquisa de mercado eficiente



Recentemente tenho investido bastante tempo em tornar o Insistimento um negócio e não mais em um blog que vive de receita de publicidade e eventualmente gera serviços de consultoria ou palestras. Estou fazendo este movimento porque acredito que quanto mais ele se tornar um negócio que gere uma boa receita e lucro, mais pessoas terão acesso a transformarem seus talentos em negócio como diz o lema desse site. Assim, exponho abaixo algumas pequenas dicas que aprendi nos últimos meses validando ideias de negócios para o site.

Converse com os seus clientes

Isso é o principal e muitos empreendedores se esquecem desse detalhe. Quanto mais você conversar com os seus atuais clientes (mesmo aqueles não pagantes, como leitores do site), mais você estreita a sua relação com eles e conhece o seu mercado. Tentar adivinhar o que eles pensam é a pior alternativa porque provavelmente você estará errado.

Não conte com o ovo dentro da galinha



É muito comum que nós achemos as nossas ideias maravilhosas e eu canso de ouvir de empreendedores que eles preferem investir altas somas de dinheiro e de tempo em ideias que “tem certeza” que vão funcionar. Veja que apesar de eu liderar uma comunidade de empreendedores com inúmeros fãs, seguidores e assinantes, não é simples convertê-los em clientes pagantes. Logo, imagine alguém que não tem fãs, seguidores ou assinantes para interagir. Como essa pessoa conseguirá validar a sua ideia? Não conte que a sua ideia dará certo. Sério.

Não pense na solução. Pense no problema.

Outra coisa muito comum é que nós pensemos na solução ao invés de nos mantermos atentos ao problema que estamos resolvendo para alguém. Pode ser que a sua solução (software, vídeo aulas, ebooks, livros, palestras, cursos, etc.) não seja a solução mais adequada para os seus clientes. Ao invés de pensar na sua solução, pense nos problemas que o seu cliente está tendo. Se ele está passando por um problema de caixa ou de endividamento, como você acredita que este cliente irá se sentir ao receber a oferta de um curso presencial com alto custo? Muito mal não é?

Evite direcionar as suas pesquisas

Há um tempo atrás perguntei para a minha lista de e-mail que tipo de conteúdo as pessoas gostariam de ver na nossa escola e a maioria das pessoas manteve suas perguntas em talentos e negócios. Foi incrível tornar a fazê-los a pergunta de uma forma diferente e notar que a demanda do meu público hoje, antes de mais nada, não é por um curso de talentos e negócios. A pergunta reformulada que fiz foi “Qual o seu maior problema que você adoraria pagar alguém para eliminá-lo da sua vida?”. Esta pergunta, feita de forma abrangente, trouxe à tona outros temas, ainda não pensados por mim. Apesar da primeira pergunta parecer não ter direcionado as pessoas para uma ou outra opção, ela acabou por mantê-las focadas no tema deste site que é basicamente talentos e negócios ao invés de deixá-las livre para dizer o que quiserem.

Não se envergonhe de perguntar algo para ganhar dinheiro

É incrível como eu me sentia momentos antes de fazer perguntas como as que demonstrei acima. De uma certa forma, me sentia um pouco envergonhado por estar “usando” as pessoas para fazer uma pesquisa de mercado para algo que irei vender para elas. Porém, veja que se eu não vender algo para elas resolverem seus problemas, elas acabarão desperdiçando seu dinheiro em uma distração ou até mesmo investindo em uma solução razoável (ao invés de uma ótima solução) para aquilo que elas estão procurando. Quando eu me aproximo do meu público e o utilizo para construir um novo produto pensando no seu problema eu efetivamente resolvo o problema ao qual estou me propondo a resolver e sirvo melhor o meu cliente. Tudo que ele quer!

Fique próximo do seu cliente e mantenha-se constantemente conversando com ele para saber das suas necessidades. Só assim, você conseguirá gerar soluções para resolver a vida das outras pessoas ao mesmo tempo que cria prosperidade para o seu negócio. Aliás, prosperar é o resultado do bom trabalho feito pelo empreendedor. Vá em frente.



2 Comentários

  1. Muito bom os pontos Marcos!

    Nada como uma boa pesquisa de mercado para criar um produto mínimo viável para não perder um tempo que pode ser jogado no lixo.

    Falando nisso, li um ótimo artigo sobre isso no no link a seguir http://imimpact.com/get-to-market/

    Espero que ajude pra quem ler 🙂

Comentários não permitidos.