O que um panettone me ensinou sobre empreendedorismo



Que eu já estava completamente convencido de que é preciso transformar serviços em produtos para se obter uma alavancagem real nos negócios não era novidade, mas me surpreendi com o insight que tive comendo um delicioso panettone neste Natal.

Sabe aquele panettone que nós compramos no mercado, vendido em caixas bem decoradas para o Natal?



Comendo esse panettone extremamente delicioso, úmido na medida certa e com um gostinho de recém saído do forno da fábrica, eu pude concretizar a ideia de que quanto melhor formatada for uma solução para um cliente maior a sua escalabilidade.

Antes, panettone era um serviço

Provavelmente quando o Sr. Fulano era um jovem cozinheiro, produzia esses panettones como hoje vemos as panificadoras produzindo tortas.

Um cliente se dirigia até o balcão da loja e fazia uma encomenda do delicioso “produto” que logo em seguida começava a ser produzido.

Desta forma, o tempo do cozinheiro era consumido pela refinada produção de seu produto, não sobrando-lhe tempo para criar novas delícias em sua cozinha.

Não se pode vender só panettone

Com o tempo, o Sr. Fulano deve ter começado a se sentir desgastado com o fato de estar sempre cozinhando a mesma coisa.

Ele até imaginava outras delícias para a sua clientela, mas não encontrava tempo para produzi-las devido ao desempenho de vendas do seu principal produto.



Enfim, com uma vida que não o realizava, decidiu estabelecer uma metodologia que o levou a ter uma linha de produção automatizada que funcionava sem a sua intervenção direta, dando-lhe a liberdade de tempo necessária para criar novas receitas.

Resumindo

Seja qual for a sua empresa, você deve ter como carro chefe um produto com características tangíveis que chame a atenção para seus clientes em potencial virarem seus clientes.

Em torno deste produto, você pode agregar novos produtos e os seus serviços.

Muitos jovens empreendedores, ao largarem seus empregos, acabam investindo tempo criando uma empresa de serviços que basicamente vende suas horas tal qual o empreendedor à frente o negócio vendia quando era empregado.

Os serviços que uma empresa presta devem agregar valor aos produtos que ela vende e multiplicar os resultados que os clientes recebem.

Voltando ao caso do panettone, uma vez que o Sr. Fulano investiu seu tempo para transformar seus serviços em um produto, ele automatizou seus processos e diminuiu seus custos de produção.

Consequentemente, aumentou as suas vendas e ergueu sua empresa com base nesta premissa de entregar sempre o melhor no menor tempo possível e com menor custo para seus clientes.

Ao criar um negócio, responda:



  • Qual é o real problema do seu cliente?
  • Qual ou quais soluções você entrega para ele?
  • Essas soluções podem ser formatadas em um único produto?
  • Que funcionalidades extras em serviço você pode agregar no seu produto carro-chefe?
  • Como você pode analisar as vendas desse produto e melhorá-las?

Dê uma boa olhada em volta e perceba todos os negócios que se massificaram ao utilizar esta fórmula.



4 Comentários

  1. Opa Marcos,

    Até concordo com você quando estamos observando negócios tradicionais. Quando falamos de negócios que buscam algum tipo de inovação a coisa pode ser um pouco diferente. Startups [de uma forma geral] estão num meio onde possuem recursos limitados e provavelmente um time que não tem como competir com os concorrentes adicionando cada vez mais funções ou produtos. É preciso lembrar que para cada novo produto/serviço adicionado a carga de trabalho aumenta exponencialmente.

    Empreendedores e Startups no entanto podem focar seus esforços em fazer apenas uma coisa, um produto, mas fazer melhor do que o concorrente que já está no mercado, simplesmente porque fazer só uma coisa permite que você faça isso melhor que todo o resto. Um bom exemplo para entender como funcionou isso é o Google. Quando o google surgiu em meados de 1998, a Yahoo e outros motores de buscas funcionavam grandes portais que também faziam busca. Eram cheio de noticias, serviços de hospedagem, email e tudo mais, gastando uma imensa quantidade de recursos para se manter. O Google surgiu fazendo apenas uma coisa: Busca. Uma página em branco com uma caixa de busca, e foi assim por muitos anos, só em 2004 lançou um novo produto, o gmail.

    Este modelo vem se replicando com bastante sucesso nos últimos 20 anos. Facebook, whatsapp, instagram, 37 signals e até mesmo a redbull são provas que você pode – e muitas vezes deve – focar exclusivamente num produto, desde que você garanta que consegue fabricá-lo melhor que ninguém.

    Faz sentido o que falei?

    Espero ter colaborado com o conteúdo, forte abraço

    • Faz sentido e está totalmente alinhado com o que escrevi.

      O “erro” da maioria das startups é querer entrar no mercado com “serviços” ao invés de produtos.

      Um exemplo recente e de peso no Brasil de startup de tecnologia é a empresa Resultados Digitais que tem um produto no centro e serviços ao redor no seu modelo de negócios.

      Mas faz-se necessário que não se olhe apenas para tecnologia e sim para todo os ramos de empresa possíveis e por isso o artigo vem a calhar.

      Uma empresa que faz portas por exemplo, deve refinar o seu processo para fazer melhores portas a cada dia que passa. Depois que fizer isso bem, pode se dedicar a fazer os melhores batentes, depois as melhores vistas, e assim por diante.

      Obrigado por colaborar. Sempre é importante rechear os posts com comentários.

  2. Estou começando uma produtora de serviços digitais – temos excelente expertise e experiência de mercado, com qualidade excelente de produção – porém nosso maior desafio está sendo justamente esse: como “produtizar” nossos serviços? Nossos clientes são pequenas empresas e agências de publicidade. Estamos com uma dificuldade enorme de encontrar os pain points deles (que na maioria das vezes se resume a “qualidade x prazo”) e conseguir fazer uma linha de produção que atenda essas necessidades.

    • Eu chamaria o cliente para o centro da discussão, traria ele para a mesa de trabalho e junto com ele formataria a melhor solução. Escolha alguns clientes-chave (early adopters) e cobre deles um preço quase de custo para formatar junto com você seus serviços/soluções.

Comentários não permitidos.