Pagar ou não pagar impostos?



No post de ontem, publiquei um vídeo do TEDxSP 2009 onde Fábio Barbosa, presidente do Banco Santander, dissertou muito bem sobre o porque de devermos nos preocupar com as atividades do nosso dia a dia para compor uma sociedade mais justa, moral e ética. Em determinado momento ele comentou a ilegalidade de determinadas atividades diárias das nossas vidas tentando de alguma forma tirar vantagem sobre o sistema, nos vangloriando deste fato.

É muito comum o pequeno empreendedor informal ilegal crescer sem o registro da empresa, sem pagar alguns impostos, sonegando um pouco aqui e mais um tanto acolá com a desculpa de que está economizando para conseguir sobreviver. Acontece que roubar um milhão de reais ou apenas dez centavos de real é a mesma coisa: roubo. Seríamos enquadrados dentro do mesmo artigo criminal e ficaríamos atrás das grades do mesmo jeito. Será que você seria capaz de contar suas atividades ilícitas para os seus filhos na hora do jantar?

Na minha empresa, já passei por diversas situações onde clientes nos propunham que não emitíssemos notas fiscais para os nossos serviços para diminuir o preço daquilo que estavam pagando para nós. Sem querer falar do aspecto moral disto, perceba que se o cliente quer economizar de cerca de 10% para poder comprar o seu produto ou serviço, significa que ele se valoriza tão pouco que economizar R$30 ou R$100 pode influenciar a sua decisão em lhe contratar, ou seja, ele também não valoriza nem um pouco o que você faz.


Publicidade

AJA DENTRO DA LEI E SEU NEGÓCIO IRÁ PROSPERAR
Boa parte da energia que um empresário investe para pensar em como burlar o sistema para tirar vantagem, poderia estar utilizando para criar novas estratégias para admitir mais clientes no seu negócio. Pode parecer difícil isso, mas é mais fácil do que parece, pois este sistema enquadra e aterra todas as suas grandes idéias de fazer dinheiro e colocarão suas decisões sob um novo prisma.

“Sejamos nós a diferença que desejamos para o mundo.” Gandhi

Não é muita hipocrisia falarmos mal do caso do José Roberto Arruda se em nossas casas, instalamos TV a cabo pirata, “gato” na água e na luz e estacionamos em local proibido? Não importa se o preço que pagamos pelos serviços que consumimos é caro ou o valor dos impostos são exorbitantes, importa que esse “jeitinho brasileiro” não resolve definitivamente o problema das nossas contas altas, só coloca um paliativo por cima, tapando o sol com a peneira.

Se todos nós pagássemos nossos impostos devidamente, teríamos mais atenção ao votar em nossos políticos e brigaríamos mais por cada centavo. Mas deixando passar centavo a centavo, nota fiscal a nota fiscal, nos vemos cada vez mais atados a um sistema corrupto e podre, pronto para desmoronar.


Publicidade