Por quê, afinal, você ou sua empresa precisa crescer?



Acabei de devorar o excelente livro de Ricardo Semler, intitulado Você Está Louco! Foi o primeiro livro que senti vontade de apontar com uma caneta marca-texto os pontos importantes por ter visto em apenas cerca de 250 páginas um conteúdo de formação para profissionais de qualquer área, mas, principalmente, pessoas que desejam ter sucesso sendo a diferença que desejam para o mundo.

Semler, encerra sua brilhante obra com a pergunta título deste artigo e que sempre me chama muito a atenção: Por quê, afinal, você ou sua empresa precisa crescer?


Publicidade

Crianças de talento crescendo…

Neste blog, muito eu tenho falado sobre o propósito da nossa vida como ser humano e como empreendedores, pois, diferente do que a maioria das pessoas pode pensar, o dinheiro não é o propósito final da vida de ninguém como bem concluiu Semler no seguinte trecho do seu livro:

“Vocês vão ao escritório toda segunda-feira para satisfazer a necessidade de sentir que estão vivos, que têm algo a cumprir enquanto estiverem na Terra, que seus talentos precisam de vazão. Vão trabalhar por questões de auto-estima e por não entenderem a razão pela qual estão vivos, nada mais – e compreender isso com franqueza alivia muitas das sensações falsas que vocês dão como explicação fechada e resolvida.”

Sabemos que temos que levantar todas as manhãs no mesmo horário para chegar em um lugar e fazer as mesmas coisas pelo desagradável sabor de não entender o que estamos fazendo. Falando em crescer, em progredir, mas sem qualquer plano traçado. Qual o propósito de fazer isso tudo?

“Veremos que temos dinheiro quando não temos tempo para usufruí-lo, tempo quando não temos mais dinheiro seguro, e a possibilidade de gozar da natureza e dos esportes quando não temos mais saúde para tanto.”

Logo, podemos concluir que a nossa vida está fadada ao fracasso desde cedo? Que vamos passar dias e noites perdidos tendo a “felicidade” de passar alguns momentos bem, sem fazer deles eternos porque temos muito o que fazer, muito o que sofrer, muito o que nos castigar? Muitas pessoas vêm até mim reclamar das suas vidas, mas não se dão conta de que elas são as únicas responsáveis pelas suas vidas e as únicas pessoas com total poder para mudá-las. Não compreendem e não aceitam o fato de que viver é um aprendizado com notas baixas e altas, mas um aprendizado, no mínimo, divertido. Aliás, divertir-se com as tentativas de encontrar a felicidade é o melhor que podemos fazer por nós mesmos para lidarmos com nossos erros, nossos fracassos e nossos medos.

“As pessoas têm necessidade de cultuar líderes carismáticos, que representam o que elas querem, e não necessariamente o que elas são.”

Além de não se encararmos a irresponsabilidade com que lidamos com a vida, somos capazes de cultuar pessoas que fizeram coisas responsáveis com a própria vida, depositando nelas o nosso desejo de, um dia, quem sabe, talvez, atingirmos tal estrelato de pessoa sortuda que conseguiu nascer em berço de ouro ou ter uma idéia brilhante da noite para o dia. Desculpas, desculpas, justificativas. Só isto que conseguimos fazer quando nos deparamos com o nosso medo de crescer e ser responsável.

Um aviso aos que desejam ler essa obra prima da administração moderna é que esta leitura fará muito mal a sua saúde pessoal e a dos seus negócios, pois você será instigado a perguntar-se três vezes Por quê? Afinal, por quê você precisa crescer? Por quê você precisa ser alguém? Por quê você quer passar mais tempo com a família? Etc, porquês!


Publicidade

Eu estou retomando o meu antigo empreendimento de consultoria em projetos em internet e projetando um novo negócio na área de gestão de talentos. Gerencio este blog, dou consultoria aos meus coachees e ainda tenho tempo para pensar no meu propósito de vida e buscar melhorar-me como pessoa para servir melhor a comunidade. Se eu, ser humano que sou, consigo, porque você ainda fica na mesma e não sabe nem sequer o motivo para estar acordado lendo este texto?

Leia: Você Está Louco! Uma vida administrada de outra forma.


Publicidade