Quais negócios eu montei para empreender melhor hoje



Ontem li um post interessante do Marcelo Toledo intitulado Sua empresa não sai porque você é preguiçoso! onde ele conta uma conversa de bar que teve com um amigo que lhe apresentou uma idéia de negócio. No post ele dá dicas como não perder tempo criando um plano de negócios ou criando um nome para a idéia, mas o que me incentivou a escrever um artigo sobre este tema, foram as recordações que tive ao publicar um comentário no Blog do Marcelo dos meus primeiros negócios onde quebrei a cara, mas pouco me importava em perder tempo para ganhar dinheiro. Veja abaixo quais negócios tive e como eram formatados. Quem sabe assim, você se inspira a sair da inércia e concretizar as suas idéias.



Ano de 1993: Digitação de trabalhos escolares, monografias e teses
Tinha apenas 14 anos quando gastava a maior parte do meu tempo na casa de um amigo meu mexendo no PC 386 que o pai dele tinha no escritório. Ficava lá, descobrindo os caminhos do Wordstar com ele e aprendendo a fazer alguma coisa no Dbase. Lembro que era empolgante formatar um texto no computador, salvando ele em disquetes de 5″ 1/4 e depois imprimí-lo em uma impressora matricial. Ainda mais empolgante, era criar um sistema de cadastro no Dbase e ver que podia recuperar um registro salvo com facilidade.

Em um momento, meu espírito empreendedor aflorou, muito em parte devido ao pai desse meu amigo ter ficado desempregado e ter tido a maravilhosa idéia de trabalhar como digitador para alunos de faculdades vizinhas à nossa casa que desejavam formatar seus trabalhos, monografias e teses no computador e não tinham um. Foi assim que ele me perguntou se eu queria ajudá-lo e nasceu a GM Informática, empresa não registrada que trabalhava essencialmente com digitação.

Nosso meio de propaganda era peculiar. Investimos alguns trocados na compra de papel para cartões de visita e etiquetas de endereçamento daquelas PIMACO. Imprimimos os cartões e eu fui pra frente de inúmeras faculdades “panfletar” os meus serviços. As etiquetas, nós usávamos em orelhões que ficavam em torno das faculdades. Naquela época celular e telefone fixo eram um luxo e as pessoas utilizavam bastante os orelhões da extinta TELERJ.

Foi assim que naquela época eu cheguei a ganhar R$500 por mês trabalhando em casa e comprei o meu primeiro computador, um Pentium 166Mhz. Era um garoto de 14 anos que até hoje não consegue saber o porque daquela sociedade não ter ido pra frente. Na realidade, creio que acabamos desfazendo a “empresa” por causa de divisão de dinheiro e responsabilidades e depois pelos meus interesses com o meu próprio computador e com a vida de estudante do CEFET-RJ.

Ano de 1997: Sistema de Multas de Trânsito
Logo cedo arranjei um emprego em uma empresa de ônibus no Rio de Janeiro onde fazia de tudo. Era o responsável pelo CPD e ao mesmo tempo em que era o digitador, o cara que arrumava a impressora e também o que fazia “gambiarras” no banco de dados Oracle. Um tempo antigo, mas que rendeu uma boa experiência, pois em determinado momento, uns seis meses trabalhando dessa forma, percebi que ganhava praticamente o que tirava como digitador no meu negócio anterior. Foi aí que comecei a pensar em uma forma de ganhar dinheiro fazendo o que eu já fazia, ou seja, tudo.

A primeira necessidade que vi, foi que na empresa onde eu trabalhava, existia um grande problema com as multas de trânsito dos motoristas de ônibus. Nunca sabiam quais eram os locais de maior incidência de multas, ocasionando em transtornos para a empresa e também para os próprios motoristas de ônibus que tinham o valor das multas descontadas em seus contra-cheques. Como eu já havia iniciado os meus estudos no Microsoft Access, comecei a programar um aplicativo onde fosse possível cadastrar as multas de trânsito e depois tirar estatísticas e relatórios a respeito.



Foi assim que nasceu a empresa “Sem Nome” onde eu atuava como consultor para cinco outras empresas de ônibus, instalando e dando suporte ao sistema que eu desenvolvi e que solucionava um problema real dessas empresas. Um negócio que multiplicou a minha renda por 4, mas que faliu logo que um outro programador, gerente de CPD de uma empresa de ônibus maior, escreveu um programa em Visual Basic e implementou uma série de novos recursos que eu não havia pensado.

Ano 2002: Carrocerto.com.br
Insatisfeito com o emprego que tinha em um órgão público, decidi pedir demissão e empreender em casa o meu primeiro efetivo projeto de internet. Já havia feito outros desde o fracasso do Sistema de Multas, mas tive uma ótima idéia de negócio quando a era dos sites para anunciar carros pela internet estava começando. Desenvolvi um portal onde era possível que cada empresa tivesse um site próprio personalizando-o facilmente. Web 2.0 estava longe de existir, mas já era possível neste meu projeto, personalizar quase tudo.

O site era lindo, bonito, vendeu até alguns reais, mas o fato de eu ter saído de uma empresa para ficar sem dinheiro em casa e empreender me fez fracassar mais uma vez. Bem verdade que também tive problemas com o meu sócio nesse negócio que havia ficado de cuidar da área comercial, o que não ocorreu. Entre mortos e feridos, um site com o nome carro certo, não deu certo e eu acabei por utilizá-lo como piada mais pra frente em entrevistas de empregos e conversas com os amigos.

Ano 2003: Noxion
Bem, essa empresa até hoje está no ar e trabalhando bastante para crescer dia após dia e eu não preciso falar muito dela até mesmo porque vocês já devem acompanhar bastante dos nossos resultados.

LIÇÃO DO POST
Como você verificou neste artigo, não é preciso investir tempo “arrumando a casinha” para se ganhar dinheiro. Vale até colar etiqueta de endereçamento em orelhão para montar um negócio! Mas é bem verdade que eu só fui me realizar mesmo quando parei de focar tanto em dinheiro e comecei a dar mais valor às coisas que eu gostava e desejava, sem me importar muito com o padrão que o mercado me impunha. E é essa atitude que espero ter lhe inspirado hoje com estes belos exemplos de empreendedorismo cru que expus aqui.

Em 2010, bota pra fazer! 🙂



5 Comentários

  1. PRezado Marcos.

    VC teria alguma materia atualizada sobre o seu item 26. ESMALTES em seu ultimo trabalho/pesquisa? ?Sou gerente comercial e busco uma oportunidade de negocio proprio, e me interessei neste mercado promissor … aguardo seu contato.

    • Luiz, boa tarde!

      Por gentileza me mande maiores informações referente a sua localização e experiência profissional; que entraremos em contato com uma proposta para você.

      Aguardo retorno,

      Gradual Distribuidora

  2. boa tarde Marcos tudo bem? eu li algumas materias suas e achei muito interessante, achei vc uma pessoa muito corajosa e por isso de muito sucesso e inteligencia por tentar e criar novos negocios para si . Parabens . Meu nome é julio e sou mecanico e eletricista de manutençao , trabalho na area há mais ou menos 15 anos , e meu ultimo trabalho foi por 14 anos em uma empresa de componente para calçados. Hoje já fazem 53 dias que estou desempregado tenho muita vontade de tentar por conta , (prestar serviços ) mas tenho medo de nao dar certo pois nao sou conhecido na cidade,e a concorrencia está muito forte, pensei em oferecer um diferencial , mas o que? Vc pode me ajudar ??? obrigado . [email protected]

    • julio silva de sales » Julio. Não tenha medo de não dar certo, pois já não está dando certo. A partir do momento em que você não faz nada para sair da inércia e empreender o seu empreendimento já está dando errado.

Comentários não permitidos.