Tendências de mercado do setor automotivo em 2018



Nos últimos anos os mercados tradicionais — como a indústria automotiva — vêm passando por muitas transformações provocadas pela tecnologia. São dezenas de inovações, várias vezes desenvolvidas por startups de tecnologia, que provocam mudanças em segmentos de negócio dominados, na maior parte dos casos, por players gigantes e com suas marcas já estabelecidas. Neste ambiente, há alguns cenários possíveis, no qual a aclimatação destas marcas à novidade é essencial para sua conservação no mercado.

Faça a cotação do seu seguro auto online



Estas transformações estão relacionadas, na maior parte dos casos, com tendências do mercado, tanto visto que as companhias que inovam seguem qualquer propensão, quanto visto que criam inovações que acabam ditando qualquer nova propensão. Tais inovações possibilitaram a criação de novas empresas, como a Reboque.me, aplicativo de guincho 24 horas

Independente do caso, a verdade é que há mais de uma dez de tendências que se desenvolvem neste afincado na indústria automotiva. Nem sequer todas elas, no entanto, são capazes de ser consideradas disruptivas para todo o seu mercado de desempenho. Isto visto que algumas delas são mais pontuais, gerando impacto em somente alguns setores da indústria, enquanto outras são capazes de ter uma consequência bastante maior.

1) Mobilidade compartilhada

A proteção ao mundo se tornou nos últimos anos um dos apresentações mais falados, e no momento em que esse é o assunto, é natural que as indivíduos citem os veículos que fazem o uso de combustíveis fósseis como um dos principais causadores dos complicações ambientais que impactam nossa vida. Esse apresentação provocou uma oscilação nos padrões de uso, e neste ambiente, a economia compartilhada ganha cada vez mais adeptos — em sui generis o público mais jovem. Então, é fundamental nos acostumarmos com esse forma de uso, com carros compartilhados, caronas, no qual o mais fundamental é utilizar ao avesso de ter.

2) Novas formas de comércio

A experiência de aquisição do consumidor possui se ciclone um dos aspectos mais essenciais na procura pela agrado e pela fidelização do cliente. Abalando deste princípio, novas formas de consumo de veículos tendem a se reproduzir cada vez mais, e aos poucos iniciar a abalar o mercado brasileiro. Vendas por meio de de canais digitais — aproximadamente um self-service automotivo — entregas à bairro, e até inclusive boutiques das marcas e lojas conceito, são tendências que prometem experiências também melhores para quem acudir-se comprar um veículo.

3) Conectividade

Os carros conectados são uma propensão disruptiva que promete abalar de uma vez por todas a indústria automotiva. As tecnologias conhecidas como V2V (Vehicle to Vehicle) e V2X (Vehicle to Everything) prometem abater o acoplamento do automóvel um passo além do banal smartphone. Carros que identificam itens e avisam o condutor; que entram em contato sozinhos com o serviço de afloramento em caso de acidentes; ou também com opções de brincadeira digital na internet e assistência na momento de realizar uma baliza são somente alguns exemplos de tudo o que pode ser novidade nos próximos anos.

4) Novos entrantes de outros mercados

O progresso da indústria automotiva nos mostra que, em pouco tempo, o automóvel deixará de ser somente um meio de deslocamento para se acudir-se um coisa com algumas outras utilidades acopladas. A conectividade e a autarcia de alguns veículos, por adágio, são novas qualidades, que na maior parte dos casos, não dependem somente das montadoras. Uma das tendências é que, com o tempo, cada vez mais companhias de mais mercados, como é o caso da tecnologia digital e das comunicação, acabem investindo similarmente em chaves automotivas.



5) Carros autônomos

Por fim, a propensão encabeçada por gigantes da tecnologia, como Google e Uber, que prometem acrescentar no mercado os carros autônomos que são capazes de nos provocar de um ponto a outro, sem que precisemos nos afligir com a direção. Uma novidade impreterivelmente disruptiva e que pode fazer um arquétipo completamente novo para os transportes e para a experiência de ter e pilotar um veículo.

Autor: Daniel Belalian