Vícios: como eles podem acabar com uma empresa?



Quando um empreendedor cisma de abrir uma empresa, ele normalmente abre a empresa sozinho, só com a paixão no coração, algum dinheiro no bolso e uma vontade danada de ver a sua empresa dando certo. Quando um empreendedor já tem uma pequena empresa, a paixão, o dinheiro e a vontade de ver a empresa dar certo continuam lá, assim como quando o empreendedor possui uma média ou grande empresa. Porém, a grande pergunta que empreendedores sempre me fazem por e-mail ou contato pessoal e que parece ter encontrado a resposta é: como evitar que meu novo empreendimento ou que minha empresa já estabelecida fracasse? A resposta, que muitos diriam estar fora da própria empresa, como a situação do mercado, está dentro do próprio empreendedor que dirige a empresa. É nos vícios do empreendedor que a empresa pode desmoronar.

O QUE SÃO VÍCIOS?
Segundo a Wikipedia, vício é um hábito repetitivo que degenera ou causa algum prejuízo ao que possui o vício e aos que com ele convivem. E apesar de que quando falamos em vícios logo nos vem à mente aqueles vícios mais comuns como drogas, álcool ou cigarro, é preciso ir mais fundo para chegarmos nos alicerces deste artigo que visa demonstrar que alguns hábitos que não necessariamente nos causem um prejuízo imediato podem colocar em risco não só o bem estar da nossa vida, como também o bem estar das nossas empresas e daqueles dela usufruem.

Uma pessoa pode ter vício de organização e com isto não enxergar o futuro da sua empresa, focando-se muito em manter as coisas no lugar. Da mesma forma, uma outra pessoa pode ser viciada em trabalhar (workaholic) e esquecer-se de cuidar da sua saúde. Muitos são os vícios que podemos citar aqui, mas a questão é conseguirmos entender que certos comportamentos repetitivos da nossa personalidade, fazem com que percamos demasiadamente nossas energias para satisfazê-los ao invés de depositar esta mesma energia nas atividades que são realmente necessárias para o nosso crescimento pessoal ou crescimento da nossa empresa.



VÍCIOS TEMPORAIS
Há ainda (e não menos importante) aqueles vícios que aparecem de tempos em tempos na nossa personalidade e que nada mais fazem do que criam emboscadas para nós mesmos. Esses vícios, que são mais como tendências da nossa personalidade, buscam algum tipo de alimento através do prazer e são construídos a partir de mecanismos de ligação e aglutinação de outros diversos pequenos hábitos degenerativos para atingir seus objetivos de passar pela mesma situação viciante novamente.

Uma pausa: adoramos sentir dor. Parece que adoramos o prazer, mas na busca da felicidade, nos perdemos no que vem depois do prazer. Isto é a dor. A quebra da expectativa que tínhamos naquele prazer de nos trazer a felicidade constante. Situação viciante é portanto, aquela que nos faz sentir dor depois do prazer.

Imaginemos aquele homem ou aquela mulher que precisam de uma aventura emocional diferente de tempos em tempos para se manterem “vivos”. Apesar de terem traçado suas metas pessoais e profissionais, eles não resistem a um novo flerte e através de pequenas situações e hábitos descuidados se permitem cair em outras situações que lhe colocam em maus lençóis (ou bons lençóis dependendo do ponto de vista).

É impressionante como esses vícios temporais podem afetar a um planejamento estratégico de anos e podem colocar em risco a vida de uma empresa. Essas tendências viciosas, ou melhor, esse círculo vicioso, faz com que não saiamos do lugar e vivamos uma vez mais a mesma situação que já vivemos há anos atrás duas ou três vezes. Estes vícios são perceptíveis para quem já acumulou algum conhecimento sobre si, mas para quem não se observa e não compreende algumas pequenas reações da sua personalidade para algumas situações da vida, poderá ver-se cair na mesma armadilha que tem armado para si mesmo por anos sem se dar conta da bobagem que mais uma vez estará cometendo.

ACABANDO COM O CIRCULO VICIOSO
As situações se repetem na nossa vida até que consigamos vencê-las, portanto, se paramos de beber, podemos ficar distantes por meses de um copo de bebida alcoólica, mas nós mesmos vamos buscar uma situação em que possamos testar a nossa resistência, sendo nessa situação que decidiremos se vamos continuar “sofrendo” por não beber ou transcenderemos essa “necessidade” compreendendo que apesar do hábito de beber trazer algum prazer, a decisão racional de que parar de beber era algo útil e que nos fazia bem (virtude) é algo muito maior que aquele mero prazer.

O auto-exame ou autocultura torna-se cada vez mais importante para quem é empreendedor e carrega nos ombros a responsabilidade de sustentar a sua própria família e também a família dos colaboradores da sua empresa. Será através do cultivo do conhecimento sobre si mesmo que o empreendedor notará que vícios possui, ou melhor, que hábitos prejudiciais a ele e a outros coloca em prática todos os dias ou de tempos em tempos, para poder, no momento do teste desses vícios, eliminá-los de uma vez por todas da sua personalidade.

POR QUÊ ELIMINAR OS VÍCIOS?
Todo vício promove o mal estar de quem é o dono do vício quanto de quem rodeia o viciado, logo, em uma primeira análise, é preciso eliminar o vício porque eliminando-o paramos de nos causar mal e também de causar mal aqueles que nos cercam. Em uma próxima análise, devemos eliminar os vícios porque quanto mais os cultivarmos, mais eles ficarão enraizados na nossa personalidade.



É mais fácil alguém que fuma há apenas sete dias parar de fumar, que uma pessoa que fuma há 25 anos.

Os vícios consomem nossa energia, pois se reclamamos de tempo para realizar nossas metas, gastamos o tempo que nos é entregue com conversas sem conteúdo com pessoas do escritório ou jogando farmville no facebook.

Cada momento que gastamos tentando satisfazer a nós mesmos, destrói cada momento que tentamos fazer algo para os outros.

Mantenha-se atento a você mesmo e perceba quais são as suas tendências que o estão levando para o fundo do poço. Mantenha-se vivo por você e para os outros. Elimine seus vícios, um a um. Tudo que faz você perder tempo e energia deve ser eliminado. Só assim, você começará a sair dessa roda viva de testes de vícios dolorosos pelos quais todos nós passamos diariamente.